19 dezembro 2008

guarda-roupa entulho - parte 1

alguém escreveu que o guarda-roupa está um entulho e que metade das coisas não são usadas. mãos à obra!

antes de começar, concentre-se: a idéia é deixar tudo mais simples, fácil de achar... esclarecedor! e então a organização deve ser sua, com sua estrutura de guarda-roupa e o seu jeito. de todo modo, vão umas sugestões:


arrume por partes: as roupas, os acessórios, os sapatos, as outras coisas (tipo sombrinhas, cosméticos, coisas que guardamos lá).

- para as roupas:

separe gavetas: uma para as meias, uma para as calcinhas e os soutiens ou cuecas, uma para pijamas, camisolas e/ou "roupas de ficar em casa", uma para blusas de malha, uma para tricôs. se não tem uma gaveta para cada, improvise com caixas e/ou organizadores de plástico ou mesmo de papel, que vc pode até decorar. ou se uma gaveta é muito grande, combine, tipo meias e cuecas ou calcinhas e soutiens.

use cabides para pendurar por cores e/ou tipos. exemplo: de um lado, pendure as camisas e junte-as por cores (as brancas, as de tons azuis, as estampadas, etc), isso vai ajudá-la (lo) a ter uma noção de quantas camisas daquela cor você já possui e/ou facilitar quando você se decidir por uma cor (todas as suas opções estarão lá, juntas!). faça o mesmo com os paletós, os vestidos e - se não tem calceiro - também com as calças e saias.


há muito as lojas arrumam as roupas separando-as por cores.
vale para qualquer um, embora separar por cores e tipos facilite ainda mais
(esta imagem é da Cupcake, loja em Belo Horizonte)


obs.1: não pendure seus tricôs, blusas de malha e ou qualquer roupa que espicha em cabides, pois ficarão deformadas, marcadas no ombro, compridas.
obs.2: pergunte-se sobre as bermudas e shorts, se ficam melhor pendurados em cabides ou separados em gaveta.

peças muito delicadas (um belo terno, um vestido bordado) e/ou muito específicas (sungas e maiôs) podem ser mantidas em plásticos (os originais ou improvisados). mas, nunca guarde-as úmidas e, de vez em quando, coloque-as para ventilar.

(um parêntese: se você foi a algum lugar e suas roupas pegaram algum cheiro - de cigarro, por exemplo - mas não estão sujas, coloque-as na área de serviço, para ventilar. depois de um bom tempo, verifique que o cheiro costuma sair. só então coloque-as no guarda-roupa).

hoje vou parando por aqui, para ninguém se cansar. mas, anime-se! essa atitude não é só a favor do seu estilo, é também contra desperdícios!

18 dezembro 2008

especialmente para eles, "joãos"

pediram uma seção masculina. adorei! e prometo me dedicar. por enquanto, uns aperitivos:

- o homem, em geral, mais básico na vestimenta, nem por isso está isento de se olhar no espelho, verificando as combinações e proporções.

- as meias devem ser da cor da calça ou do sapato, para evitar “intervalos” entre o sapato e a calça, tipo meia branca (intervalo branco) entre o tênnis preto e a calça azul.

- na hora de comprar suas meias, dê preferência para as de algodão, que retêm menos cheiro.

- outra dica contra o “chulé” é deixar os calçados ventilarem após o uso, antes de guardá-los no armário e não usar o mesmo sapato sucessivamente, mas alternando, um dia um tênnis, no dia seguinte outro tênnis ou um sapato, etc.

- há boas opções para o homem investir no estilo sem sair do básico, se assim desejar. tipo incremetar peças padrão - camisas, paletós - com cores de botões pouco previsíveis. exemplos? paletó risca de giz no tom grafite com botões marrons, camisa xadrez em tom azul com botões vinhos. não muda o estilo, mas acrescenta um charme. e para quem quer começar a ousar, as listras e os xadrezes são um ótimo início de experimentação.
obs.: só não use listras horizontais muitos largas, que costumam engordar.

16 dezembro 2008

dicas

- o espelho é seu grande aliado para vestir-se bem. encare o que ele diz, se tal roupa lhe achata ou alonga, se seu sapato combina. se mesmo diante dele você tem dúvidas, experimente uma peça de comprimento diferente, um calçado mais ou menos delicado e/ou diverso no salto. ele vai acabar respondendo o que fica melhor em você.

- se você não quer se dedicar a uma nova roupa para as festas, ou por preguiça, ou por falta de grana, use a antiga de um novo jeito, por exemplo, com outros acessórios. lembre-se, no entanto, que as roupas mais simples são as que lhe permitem uma maior variação dos complementos.

- roupa antiga não é sinônimo de roupa velha. usar roupas em bom estado, antigas ou não - sem furos, sem linhas soltas, sem manchas, sem sobra de forro - é fundamental para quem quer se vestir bem.

- a correria do dia-a-dia não lhe permite perder tempo com as dúvidas nas suas combinações de peças e acessórios. a medida que você afina seu estilo, porém, fica mais fácil produzir-se e alguns looks, inclusive, já ficam estabelecidos para você. então é só pegar e usar.

fim de ano

o "fim de ano" é um ótimo momento para rever o seu estilo. afinal, somos tomados por um clima de balancete, de avaliação, de fechamento e projeção de planos. eu te aconselharia a fazer uma boa arrumação no seu guarda-roupa, revendo o que tem, o que gosta e não gosta mais. mesmo sem uma consultora por perto, isso pode ajudá-la (o) nas doações e visitas aos bazares, tão comuns nessa época de Natal. afinal, ao retirar excessos, fica mais claro o que realmente pode ser útil.

retalho de estilo

eu poderia brincar que a consultoria de estilo é um trabalho de corte e costura. significa o afinamento de cada um com a roupa que carrega, vestindo-se bem. não se trata, então, de vestir-se na moda, mas de saber escolher o que na moda combina com você, qual o retalho da moda que diz do seu estilo.

15 dezembro 2008

estilo pessoal

confeccionar a própria roupa pode ser um privilégio. afinal, escolhe-se a padronagem, os acabamentos, faz-se ombro e cintura "no lugar", aumentando-se a "pessoalidade" da peça. se a confecção de uma roupa exclusiva, contudo, não é possível, nada impede que cada um "pessoalize" a roupa que comprou num magazine, que cada um comunique seu estilo pessoal com as combinações que faz, com os acessórios que escolhe para acompanhar...

minha roupa

a "minha roupa" é aquela que me cai bem, ou seja, que acompanha minhas proporções e que comunica de mim, de quem sou e/ou como estou. quer um exemplo?

há cerca de um ano eu me vesti de noiva. desenhei o modelo, que foi confeccionado na rua São Caetano, em São Paulo. eu queria que tudo, inclusive o vestido, tivesse o tom de algo simples e refinado - algo com
glamour, mas sem ostentação. e foi assim que ficou:





raquel veste vestido criado por ela e confeccionado por Center Noivas,
luvas, arranjo e brincos Lenice Bismarcker e sapatos Avivar