27 janeiro 2009

Carmen Miranda indica-nos como olhar o spfw

entre os dias 18 e 23 de janeiro aconteceu a 26ª edição do são paulo fashion week, inverno 2009, com o tema felicidade, cunhado sob o termo brasileirismos. no prédio da Bienal, que abrigou o evento, a decoração incluía, entre outras coisas, uma torre de bolas coloridas, frases de pára-choque de caminhão e uma homenagem à Carmen Miranda, que estaria completando 100 anos de idade. que tal conhecermos um pouco da história dessa artista "brasileira" para então pensarmos o spfw?

homenagem à Carmen Miranda no spfw, inverno 2009

Maria do Carmo Miranda da Cunha nasceu em 9 de fevereiro de 1909, em Portugal, e mudou-se com a família para o Brasil - Rio de Janeiro - quando tinha cerca de um ano. seu primeiro emprego foi numa loja de gravatas. trabalhou também numa chapelaria, onde confeccionava e vendia chapéus. dizem que era uma exímia costureira e que nessa época já criava os turbantes, que viriam a se tornar uma de suas "marcas registradas".

Carmem Miranda e seus muitos adornos de cabeça

foi com a cantoria, contudo, que Maria do Carmo destacou-se primeiro, levando seu tio a apelidá-la de Carmen - em referência à ópera de Bizet. logo, logo ela começou a cantar no rádio e em 1930 foi considerada "a maior cantora brasileira" (segundo o jornal O País). com um grande talento para performance, estreiou no cinema em 1933, no filme A voz do carnaval. participou ainda do elenco do Cassino da Urca e recebeu o convite para fazer carreira nos Estados Unidos.

em março de 1939 gravou o samba "O que é que a baiana tem?", de Dorival Caymmi, e em maio do mesmo ano, partiu para Hollywood, onde fez um enorme sucesso de público e crítica.

em 1940, Carmen Miranda enfrentou, com música e humor, as críticas (feitas também por opositores da política estadunidense) de que estaria americanizada. e em 1941 imprimiu suas mãos e sapatos na "calçada da fama", em Los Angeles.

ainda jovem, aos 46 anos, ela morreu em sua casa, em Beverly Hills, em decorrência de um infarto fulminante. estava casada com o americano David Sebastian, não tinha filhos e vinha sofrendo com o abuso de
tabaco, álcool e barbitúricos.

mas afinal, o que Carmem Miranda pode nos ensinar sobre o são paulo fashion week?

detalhes das plataformas e figurinos de Carmen Miranda, expostos no spfw

ela, que tinha um pouco mais de 1,50 metros de altura (uns dizem 1,53, outros 1,54) era chamada "a pequena notável" - mais um apelido, este dado pelo radialista César Ladeira. ou seja, fazia-se notar com o seu estilo, que combinava alguns truques - como o uso das plataformas (altíssimas) e dos turbantes, que lhes deixavam mais alta - junto à segurança de estar bem representada pela roupa que vestia
. acabou, com isso, lançando moda, pois influenciou a maneira de vestir de muitas mulheres de sua época, inspirando peças à la Carmen, que encheram as lojas da Fifth Avenue, em Nova Iorque.

"a pequena notável" no filme Entre a loura e a morena, de 1943

a
pesar disso, porém, Carmem dizia: "Nunca segui o que dizem que está na moda. Acho que a mulher deve usar o que lhe cai bem. Se querem me imitar, não tenho nada com isso" (Revista Cláudia, fevereiro de 2006).

a questão é que Carmen tinha seu próprio estilo que, de tão forte, virou tendência de moda. aliás, segundo Galvão Ferraz, o samba "O que é que a baiana tem?" participou da construção do "estilo Carmen", pois "ajudou-a a compor o figurino e o gestual" (Revista Cláudia, fevereiro de 2006).

o inconfundível estilo de Carmem Miranda

e vocês se lembram da música? pelo menos dessa parte?

o que é que a baiana tem?

tem torso de seda tem (tem)
tem brinco de ouro tem (tem)
colares de ouro tem (tem)
tem bata rendada tem (tem)
tem saia engomada tem (tem)
sandália enfeitada tem (tem)
tem pano da Costa tem (tem)
pulseira de ouro tem (tem)
e tem graça como ninguém...! (continua)


é mesmo curioso como a letra parece uma descrição de estilo. há nela a localização de uma identidade - a baiana - a consideração de algumas características pessoais - como a graça, o requebrado, a alegria - e a listagem de objetos da vestimenta que mostram essa identidade, que falam dessas características. não fica dúvidas, pelo menos para mim, de que essa definição fortaleceu Carmen no momento de representar o Brasil lá fora, contribuindo para o seu sucesso.

assim, lembrando-nos da "pequena notável", que mesmo lançando moda, defende o estilo próprio, tentaremos pensar o que rolou n
o spfw, mas só em próximos posts. deixo aqui umas imagens, uns brasileirismos, para vocês se animarem em seguir comigo.

Do estilista, Neon, Ronaldo Fraga, Cavalera

22 janeiro 2009

Ronaldo Fraga e Jurema

nesta semana está acontecendo o são paulo fashion week, que é, atualmente, o mais importante evento de moda brasileira. nele, desde o ano de 2001, o estilista mineiro Ronaldo Fraga apresenta suas criações, sempre muito figurativas, cheias de história e poesia.

desfile do Ronaldo Fraga no são paulo fashion week, inverno 2009

no desfile de inverno 2009, Ronaldo colocou na passarela, ao invés dos tradicionais modelos, idosos (todos com mais de 65 anos!) e crianças, o que provocou uma comoção generalizada no público. de acordo com ele, em entrevista ao UOL, a coleção foi inspirada no espetáculo "Giz", de Álvaro Apocalypse - do grupo de bonecos Giramundo - e fala de desamparo e abandono. assim, "surgem" a infância e a velhice, representando o início e o fim, também de um traço de giz.

crianças e idosos na passarela de Ronaldo Fraga

Ronaldo é assim! ele aproveita a chance que tem para dar uma sacudidela numa platéia acostumada a ver uma unidade estética de magreza e perfeição, para fazer arte, ser político, e mostrar beleza em braços enrugados, em cabelos brancos, em gestos espontâneos, sejam lentos, sejam espevitados.

"velhinhos" irreverentes com as roupas de Ronaldo Fraga

ao mesmo tempo a roupa de Ronaldo, segundo algumas análises (no www.spfw.com.br, no www.oficinadeestilo.com.br), prova, apesar da irreverência - que lhe é característica - ser atemporal, ou seja, capaz de vestir qualquer um que se disponha a um pouco de diversão ao desfilar por aí. cabe apontar ainda que é possível reconhecer nas peças, além do conforto, a elegância e a modernidade. vejam!

e também elegantes e modernos

por coincidência, nessa mesma semana eu recebi, aqui no blog, no post "minha roupa", um comentário de uma senhora, a Jurema, mãe de um amigo, que falou do seu gosto por brechós e pelas boas peças que duram décadas.
Jurema, seja muito bem-vinda! suas palavras certamente enriquecerão as idéias sobre estilo, sobre a possibilidade de todos mostrarem seus traços nas roupas que carregam. beijos para você!

estilo em todas as idades

20 janeiro 2009

Minas no fashion rio

na semana passada, dentro do fashion rio, aconteceu o rio moda hype, um evento de novos talentos da moda brasileira. com um pouco mais de atenção, percebi a presença de um antigo conhecido: o Caio! na verdade, eu não sabia o sobrenome dele - Alvi - e só me dei conta que ele era ele com a foto ao final do desfile.

Tiago Leão, Natália Begazo e Caio Alvi

Caio, há alguns anos, montou a Yo-Yo, Mercearia Moderna Oriental, na Savassi, em Belo Horizonte, com a proposta de venda de roupas, produtos da culinária japonesa e mil cositas, além do sushi à noite - quando rolava um som. depois foi para a Espanha, estudar moda em Barcelona, e hoje compõe o trio de criação da Pure.

a Yo-Yo fica na Rua Paraíba, na Savassi, em Belo Horizonte

a análise do desfile no site www.erikapalomino.com.br, comentou: "Na segunda participação da marca mineira Pure no Rio Moda Hype, Caio Alvi, Tiago Leão e Natália Begazo realizam o melhor desfile do segundo dia de evento, apoiado no tricô que eles chamam de inovador, com efeito lurex, em cordões grossos e franzidos."

alguns looks da Pure no fashion rio inverno 2009

parabéns para o Caio, para a Pure, para o talento mineiro!

17 janeiro 2009

fashion rio

aconteceu durante a semana, entre os dias 11 e 16/01/09, a 14ª edição do fashion rio, temporada inverno 2009, que foi batizada "Rio, caleidoscópio cultural brasileiro".

eu me lembro bem daqueles "cilindros mágicos" que existiram na minha infância e acabei não resistindo em conferir o significado no dicionário Houaiss.

caleidoscópio ou calidoscópio é, entre outras coisas, um "
conjunto de objetos, cores, formas etc. que formam imagens em constante mutação".

e então, topas conferir
um pouco das imagens que se formaram durante o fashion rio?


algumas imagens do fashion rio inverno 2009:
Melk Zda, Pure, TNG, Auslander,
Walter Rodrigues, Kylza Ribas, Groove, Complexo B

no decorrer de todo o evento foram 45 apresentações (!!!) e muita informação de moda, que a gente vai poder digerir e explorar aos poucos (até o inverno!). quero, porém, já partilhar com vocês o que chamou primeiro a minha atenção.

o grafismo em estampas ou feito com os próprios tecidos ou mesmo com bordados surgiu em muitos desfiles e me pareceu um ótimo e fácil recurso para dar uma modernizada. dê uma olhada!

grafismo nos desfiles de
Marcella Virzi, Cantão, Juliana Jabour,

Complexo B, Redley e TNG

as cabeças atraíram meu olhar. elas estão mais enfeitadas? foram chapéus, bonés, lenços, faixas, ornamentos de tantos tipos, que me fazem perguntar: é uma tendência? as pessoas, no Brasil, estão adornando mais a cabeleira?

cabeças adornadas nos desfiles de
Victor Dzenk, Mara Mac, Maria Bonita Extra,

mais uma vez Maria Bonita Extra, Acquastudio e Complexo B

nos sites de moda, entre eles, o www.chic.com.br, o www.erikapalomino.com.br, e o www.gnt.com.br, falou-se muito sobre as calças, algumas delas exibindo um novo formato, o semi-bag, e denominadas
carrot pants (largas no quadril e mais justas a partir do joelho). são elas que junto das saruels (aquelas calças de gancho bem baixo), das pantalonas e outras (que eu ainda não sei o nome) vão incrementar o oversize das calças, reforçando a concorrência contra o já conhecido modelo skinny (todo justo).

calças mais largas no fashion rio nos desfiles da
Redley, Fernanda Yamamoto, Francisca,

Espaço Fashion, Cavendish (essa é a carrot pant!) e Mara Mac

pelo jeito vamos ter muito assunto pela frente,
inclusive destrinchando os pontos aqui lançados, junto a outros que virão com o são paulo fashion week (já começa amanhã!).


13 janeiro 2009

guarda-roupa entulho - parte 2

há pouco tempo (19/12/2008) escrevi um post sobre "guarda-roupa entulho", com o subtítulo "parte 1". ééé! arrumar o armário dá trabalho e, em geral, custa algumas etapas. ainda aproveitando o gás de ano novo, que tal seguirmos em frente?

como eu havia dito, separe as roupas: as blusas de malha nas gavetas, as camisas, paletós e vestidos nos cabides, as saias e calças em calceiros ou gabides, os shorts e bermudas nas gavetas ou mesmo cabides. o importante é deixar as peças juntas por modelo e cor, já que isso facilita a visualização das quantidades e opções.

sempre se pergunte: gosto dessa roupa? uso? para quê? é que às vezes guarda-se, por exemplo, umas 15 "blusas de ficar em casa", umas 5 calças "de ir para o mato". ou seja, um excesso! ninguém fica tanto em casa e são raros os que vão muito para o mato. esses extras entulham o armário e dão a impressão que se tem muitas roupas. na hora de sair, de ir ao trabalho, percebe-se, porém, que não se tem blusas mais bacanas, mais novas, calças mais sóbrias, menos esportivas. logo, é bom discriminar as
peças também por ocasiões, tipo as "blusas de sair" e as "blusas de ficar em casa" ou os "vestidos" e os "vestidos de festa". e a cada vez, pergunte-se sobre a quantidade de peças dessas categorias. isso vai ajudá-lo (a) a perceber o que se tem em demasia, o que se tem pouco e o que não se tem.

aproveite para ir se desvencilhando do que está muito velho (para não correr o risco de ficar usando por aí) e/ou do que não se gosta mais. afinal, a gente muda. pode apostar! às vezes, o que gostávamos, não gostamos mais.




cabides que ajudam na organização: específicos para cintos e gravatas,
para 3 calças e para gravatas com 2 ganchos extras


outras opções:
para saias, de ganchos (para bolsas, sombrinhas,
colares delicados...) e para "conjuntos" (paletó e calça, paletó e saia...)

os sapatos
costumam ocupar muito espaço no armário e merecem alguns cuidados especiais. eles podem ser colocados em nichos, em gavetas ou mesmo em setores
ou armações exclusivos. se você for amontoá-los, separe-os em caixas transparentes ou saquinhos com visor. nesses últimos, use modeladores ou mantenha os papéis que "armam" os calçados (geralmente são papéis amassados, que vem dentro dos sapatos), pois ajudam a manter-lhes a forma.

como com as roupas, separe-os por tipos. lembre-se ainda de deixá-los ventilar após o uso, antes de guardá-los no armário e de conservá-los com limpeza e visita ao sapateiro. aliás, um bom sapateiro é capaz de pequenos consertos a verdadeiros milagres que darão vida longa ao seus queridos sapatinhos.


sapatos à vista nas sapateiras (especiais ou comuns),
nos saquinhos com visor e nas caixas transparentes

as demais cositas, como bijuterias, bolsas, lenços, chapéus, biquínis ou sungas e tudo o mais, seguem a mesma orientação. devem ser separados por divisórias nas gavetas e/ou usando-se caixas. lembre-se apenas de priorizar a transparência, a visibilidade - que aumenta o aproveitamento das peças - e deixe os fundos para as coisas menos usáveis e grandes (que se vê ao longe).

organizador de gavetas (separa meias, biquínis, cuecas, etc), caixas transparentes, porta-trecos pendurável e
3 tipos de caixinhas (sendo a primeira à esquerda especial para gavetas)

para finalizar, aproveite a variedade de produtos que ajudam na organização do guarda-roupa. ao investir nos "organizadores", a compensação vem com o maior aproveitamento de tudo que fica guardado. de todo modo, as imagens podem inspirá-lo a se virar com criatividade. que tal?

prateleira tipo "canguru", cesto "furado",
armarinho auxiliar, porta-trecos e porta cintos ou colares
(ambos penduráveis também nas portas do guarda-roupa, em geral, pouco utilizadas)

09 janeiro 2009

maria filó

a maria filó está em promoção. para quem não conhece, é uma loja cheia de mimos. tá precisando de algum?



04 janeiro 2009

riqueza de detalhes

voltando à conversa com a pessoa que falava da distribuição das coisas que eram de sua avó, ou seja, além do fato de que algumas peças são "um clássico", há outro importante atrativo da vestimenta antiga: a riqueza de detalhes. a mesma pessoa, por exemplo, falava-me que sua mãe freqüentava anualmente um baile à fantasia e que as roupas eram extremamente elaboradas, gastando um bom tempo na confecção. é bem provável que hoje “aquele baile” seria mais um de tantos eventos corridos da vida moderna e uma confecção mais cuidadosa tornaria-se mais difícil e rara. em contrapartida, as fantasias e mesmo as roupas não nos parecem cada vez mais descartáveis?


a riqueza de detalhes (mistura de tecidos, uso de sianinhas, bordados e
abotoamentos especiais) nos figurinos da novela
Ciranda de Pedra
(Rede Globo, 2008), que retratou
a vida de paulistanos
por volta dos anos 50


nesse ano que passou, 2008, a Rede Globo regravou a novela Ciranda de Pedra, cuja primeira versão, também baseada no romance de Lygia Fagundes Telles, foi de 1981. a história inicia-se no ano de 1947, no pós-guerra, e os figurinos glamorosos e/ou com referências rock a billy mostram particularidades.


a calça da personagem Otávia, de cintura alta, mistura dois tipos de tecidos
e a
posição das listras da blusa variam nas alças e tronco;
o vestido da personagem Laura é acompanhado por um bolero
e a jaqueta do personagem Peixe tem muitos zíperes e botões

o Caderno tv & lazer do jornal O Estado de São Paulo de 8 de Junho de 2008 comentou: "Com a indústria têxtil brasileira exalando prosperidade, quem não podia comprar os poucos vestidos que vinham direto das maisons francesas, comprava uma revista, levava a uma boa costureira e pronto, saía toda faceira, à Grace Kelly. E não é isso que dá vontade de fazer quando se vê Ciranda de Pedra?"

deixo vocês pensando...


03 janeiro 2009

para durar!

dia desses uma pessoa dizia sobre a distribuição dos pertences da avó falecida - como roupas, bijuterias, "até coisas de casa!" - entre as mulheres da família.
é interessante como algumas peças antigas continuam atraindo a admiração de diferentes gerações. por quê? no caso, claro!, há que considerarmos o afeto pela avó, mas muitas peças são "um clássico", ou seja, algo que sofre pequenas modificações - como no comprimento ou na largura - resistindo à passagem do tempo. exemplos? um cardigã (ou cardigan), uma saia lápis, uma estampa de bolas, uma camisa branca, uma camisa pólo, um colar de pérolas, um terno escuro, um escarpim, etc.


cardigã, saia lápis, estampa de bolas, camisa branca,
camisa pólo, terno escuro, escarpim

se você rever fotos antigas vai perceber como essas peças já vestiam nossos pais e avós e ainda vestem nossos amigos e filhos. são, por isso, boas para se apostar e até garimpar em brechós, quando não se tem a sorte de herdar dos parentes mais velhos. são também uma sugestão para quem quer trocar os presentes que ganhou no Natal, com os quais não se identificou. isso porque o "clássico", em geral, é mais fácil de encontrar nas diferentes lojas e acredite! dia a mais, dia a menos, acaba sendo útil.



as "eternas pérolas", ontem usadas por
Jacqueline Kennedy e hoje por Sara Jessica Parker